Alvo do Internacional é afastado e fica sem treinar na Argentina

Sondado pelo Internacional, o atacante Cristian Pavón foi afastado pelo Boca Juniors dos treinos com o grupo principal. Clube e jogador têm divergências a respeito da renovação contratual e o desfecho dessa história deve ser a saída do atleta. O contrato dele com o time ‘Xeneize’ termina em junho, o que o deixa livre para assinar um pré-contrato.

“Todos os trabalhadores e empregados têm contrato com prazo e cabe ao seu chefe decidir se continua ou não com o empregado. Se o seu chefe quiser que você continue, ele lhe oferecerá as condições necessárias para renovar antes do término do contrato”, disse o empresário do jogador, Fernando Hidalgo, em entrevista à ESPN da Argentina.

Hidalgo alega que o contrato de seu cliente está desvalorizado no câmbio do dólar e, por isso, busca uma compensação financeira justa para o atleta de 26 anos. As declarações públicas do empresário não foram bem recebidas pela direção do Boca, que passou a cogitar negociar o atacante.

O Atlético-MG também aparece como um possível destino do argentino, que responde a um processo judicial no país vizinho.

Na mira do Internacional, Cristian Pavón é acusado de estupro na Argentina

O atacante do Boca foi acusado de violência sexual por Gisela Doyle, durante uma festa em Córdoba, cidade do jogador. Segundo consta na investigação da Polícia Judiciária do país, o atleta “teria participado de episódio similar (violência sexual)” no passado, mas sem produção de denúncia.

Os portais ‘Fala Galo’ e ‘GE’, tiveram acesso ao relatório da investigação que foi recebido pelo clube mineiro.

“Todas as provas apontaram no mesmo sentido, isto é, não conseguiram comprovar que houve ato sexual, e menos ainda, que se houve, tivesse sido contrário a vontade da suposta vítima”, diz um trecho do documento.

Comentários do Facebook

- Publicidade -