Análise da partida do Internacional: Pouco repertório ofensivo e defesa bagunçada colaboram para que o Inter perca com um homem a mais

0

O Inter enfrentou o Palmeiras no Beira-Rio pela oitava rodada do brasileirão. Partida importante para o time pontuar contra um possível adversário direto na disputa pelo título. O colorado foi para campo com Johnny e Dourado e sem o Mauricio, principal nome do último jogo contra o América/MG.

No começo da partida, os visitantes foram mais incômodos. Danilo conseguiu se impor no meio campo e proporcionou mais volume de jogo para o Palmeiras que, abriu o placar aos 9 minutos com Deyverson em uma jogada de bola aérea. Inter muito mal posicionado não marcou o rebote do escanteio que gerou o gol alviverde. Com o decorrer do primeiro tempo, o colorado não conseguia criar oportunidades. A única jogada de mais efeito era encontrar o Caio Vidal de mano a mano com o Renan (LE improvisado). Cuesta fazia esse lançamento em diagonal sempre buscando o ponta.

Para a segunda etapa, Abel Ferreira foi obrigado a tirar o Breno Lopes e a opção foi o Victor Luis. Com isso, o treinador corrigiu o problema pela esquerda colocando dois jogadores defensivos. O principal problema foi ter chamado demais o Inter para seu campo, que começou a pressionar com cruzamentos e bolas lançadas nas costas dos zagueiros.

O lance que mudou o rumo do jogo aconteceu após o Patrick recuperar uma bola no meio campo e lançar Vidal em projeção na cara do gol. Kuscevic fez o pênalti e foi expulso de campo. Edenilson empatou a partida e o colorado se via com um homem a mais para virar o jogo.

O grande problema do Inter foi o repertório ofensivo. O time simplesmente não conseguia criar e se limitava a jogar a bola para área de qualquer jeito. Assim o Palmeiras começou a encaixar contra-ataques e ficar cada vez mais perigoso. No fim da partida, após erro de passe do Johnny, Deyverson encontrou Danilo Barbosa que cruzou para Danilo Oliveira ganhar a partida para os visitantes.

Aguirre terá muito trabalho. O primeiro fator para arrumar é a zaga. Depois que concertar a descompactação terá que buscar mais repertório ofensivo para seu time. Já para o Palmeiras fica a lição de não recuar suas linhas desnecessariamente em um jogo que estava relativamente controlado.

- Publicidade -

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.