Colorados citam drama com emboscada após jogo contra o Santos

Os ônibus que levaram os torcedores do Internacional à São Paulo, para assistir a partida contra o Santos, foram atacados no retorno para Porto Alegre. Um dos veículos foi atingido por uma bomba caseira, que explodiu em meio aos passageiros.

Os estilhaços feriram um dos integrantes da excursão. O torcedor de 21 anos envolvido precisou ser levado à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade paulista. Os artefatos atingiram os olhos e os braços. Após o atendimento, ele voltou a Porto Alegre com os outros torcedores.

Wagner Deiques, o Tickinho, líder da torcida Guarda Popular, revelou detalhes sobre a situação, em entrevista para a GaúchaZH.

“Alguns estavam dormindo, cansados. Mas, mesmo com a escolta da polícia, vimos quando motos se aproximaram, mostraram armas e depois veio a explosão. Tivemos muita sorte de estar vivos”, afirmou o torcedor.

O ônibus que estava atrás também foi atingido por pedradas, porém a bomba não explodiu. Os torcedores não foram feridos com gravidade.

Após o ataque, os torcedores fizeram um boletim de ocorrência. Ainda não se sabe a autoria do atentado e Wagner revelou que não havia nenhum tipo de ameaça ou promessa de ataque contra a torcida do Internacional.

Guarda Popular se posicionou sobre o aumento das mensalidades

A direção do Internacional demonstrou interesse em aumentar a mensalidade dos associados nos próximos meses. A alteração no valor foi solicitada junto ao Conselho Deliberativo, que iria definir a situação em votação na próxima semana, porém o clube cancelou a realização da reunião.

O principal motivo do cancelamento foi a rejeição por parte dos torcedores. A Barra Brava Guarda Popular se posicionou sobre o assunto nas redes sociais. A torcida divulgou, nesta quarta-feira (8), uma nota oficial contra o aumento das mensalidades.

Comentários do Facebook

- Publicidade -