Foi por isso que o Inter cancelou a votação para aumento das mensalidades

O Internacional cancelou a votação no Conselho Deliberativo para aumentar o valor das mensalidades dos associados. A reunião para debater o tema estava prevista para o dia 13 de junho (segunda-feira), no estádio Beira-Rio.

Um documento enviado pelo presidente Sérgio Juchem, na última quarta-feira, fez menção ao tema e pediu para que ele fosse debatido, e não deliberado, assim como estava previsto na pauta anterior.

O Conselho de Gestão terá que apresentar maiores detalhes sobre o pedido de aumento em 26% nas mensalidades dos sócios. O impacto dos novos valores, os números atuais e as projeções de novos membros estarão em pauta nas próximas semanas.

O Internacional optou por cancelar a votação em um primeiro momento por conta da repercussão negativa. Parte dos torcedores do Colorado não gostaram da possibilidade e a torcida Guarda Popular publicou uma nota oficial se posicionando contra a mudança.

Os motivos da gestão do Internacional

No primeiro quadrimestre de 2022, o balanço financeiro do clube aponta déficit de R$ 9 milhões. A gestão acredita que o reajuste é um pedido necessário por conta da necessidade do equilíbrio financeiro do Internacional.

No documento enviado pela gestão aos conselheiros, na semana passada, os motivos pontuados para a defesa da pauta foram:

a) A necessidade de equilíbrio financeiro, já de amplo conhecimento de toda a Comunidade Colorada e também desse Conselho Deliberativo;
b) A não aplicação de qualquer índice de correção dos valores das obrigações sociais do Clube desde setembro de 2018;
c) As perdas inflacionárias do período, que superam o montante de 10 milhões de reais por ano;
d) Os últimos índices de inflação que, no período SET/2018 a ABR/2022, chegaram ao patamar de 26,23%, conforme o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), medido pelo IBGE; e,
e) A medição do índice oficial que reajusta grande parte dos contratos aos quais o Clube está vinculado, cuja variação no período foi de 67,86%.

- Publicidade -