Os caminhos para o Internacional no Brasileirão 2022

Como em todo início de Campeonato Brasileiro, os torcedores colorados especulam sobre as chances reais do time na nova edição do torneio. Será desta vez que o Internacional conseguirá erguer novamente uma taça que não conquista desde 1979 e que há dois anos ficou a um gol de conseguir?

O torcedor otimista vai garantir que sim. O pessimista tem certeza que não. E o realista vai analisar os fatos para tentar prever o que pode acontecer. E muita coisa pode acontecer.  Por isso é até comum que antes do início de campeonatos as casas de apostas online recebam diversos prognósticos, alguns bastante descolados da realidade.

Mas no que toca às apostas no futebol brasileiro, sempre se pode considerar ao menos oito clubes como postulantes ao título. Entre eles – por que não? – o Internacional. Prova disso são as cotações a uma semana do início do torneio. O Inter aparece como o sétimo favorito, pagando 30 para 1 se for campeão.

Nem tão ruim, nem tão bom. Mas pode melhorar. É normal que times evoluam ao longo do certame. Ou não, como o Grêmio de 2021. Para fazer valer a aposta do parágrafo acima, portanto, é preciso trabalho. Muito trabalho.

Confiança no treinador. E treinador de confiança

O Inter precisa rapidamente encontrar seu técnico, seja ele quem for. Já está demonstrado como a inconsistência no treinador afeta o desempenho da equipe. Não por acaso, times rebaixados trocam repetidamente de técnico. É preciso fazer uma escolha correta, e confiar nela. Respaldado, o profissional rende mais, e conquista a confiança dos jogadores. Confiantes, eles ganham mais jogos. E isso aumenta a confiança no treinador. É um círculo virtuoso que Abel Braga conseguiu implementar em 2021.

Goleiro, uma peça-chave

Todo atleta dá sua contribuição para o time. Mas, entre eles, o goleiro é crucial. Ele não ganha jogos, porque raramente faz gols, mas um goleiraço certamente evita várias derrotas. Sem nos atermos a nomes, o Internacional precisa avaliar se há uma reposição à altura de Marcelo Lomba.

Consistência defensiva

A grande maioria dos campeões nacionais, especialmente na época de pontos corridos, tinha um sistema defensivo consistente. Alguns até irritantes. Mas a lógica é simples: se o time toma poucos gols, dificilmente perde, e várias vezes vai ganhar por placares magros, mas que ainda valem três pontos. Nos últimos tempos, a defesa do Colorado vem sofrendo, o que explica muito dos insucessos. Arrumando esse ponto fraco, já será meio caminho andado.

Investimento na base

Se não há milhões em caixa para pagar o salário de jogadores destacados, a solução é investir nos atletas de base. Antes de serem exportados, que parece ser sempre a ideia final, eles podem servir ao clube, jogando ao lado de atletas mais experientes e trazendo o vigor e o desejo de sucesso típicos da juventude.  No mínimo isso valoriza o jogador, e melhora o seu preço de venda.

Gerenciamento de energia

Um campeonato de tiro longo como é o Brasileirão impõe desafios de gestão da equipe. É simplesmente impossível não rodar o elenco, pois suspensões e contusões sempre aparecem e, mesmo que não fosse assim, há longas viagens, especialmente para um time gaúcho. O Internacional precisará de um banco de reservas que consiga manter o nível das atuações, ou pontos preciosos se perderão pelo caminho.

Apoio da torcida, sempre

Mais do que nunca, o Internacional precisa da torcida vibrante, empurrando o time a cada partida. A força que vem das arquibancadas do Beira-Rio é poderosa, mas precisa ser alimentada.  O torcedor quer ver o time atacando, procurando vencer.

Quer ver raça em cada disputa de bola. Quer gritar gol. Enquanto tudo isso estiver acontecendo, a torcida apoiará. E quem sabe, ao final de trinta e oito rodadas, aquela aposta de 30 para 1 renda um bom natal.

Comentários do Facebook

- Publicidade -